817 stories
·
3 followers

Still in Use

3 Comments and 15 Shares
'Which one?' 'I dunno, it's your house. Just check each object.' 'Check it for *what*?' 'Whether it looks like it might have touched a paper towel at some point and then forgotten to let go.' '...' 'You can also Google to learn how to check which things are using which resources.' 'You know, I'll just leave the towel there and try again tomorrow.'
Read the whole story
herrmann
5 days ago
reply
Brazil
popular
7 days ago
reply
Share this story
Delete
3 public comments
Covarr
9 days ago
reply
Just the other day I was doing some painting. Forgot to save when I was done, woke up the next morning, and the living room was back to its boring eggshell again :(
Moses Lake, WA
alt_text_bot
9 days ago
reply
'Which one?' 'I dunno, it's your house. Just check each object.' 'Check it for *what*?' 'Whether it looks like it might have touched a paper towel at some point and then forgotten to let go.' '...' 'You can also Google to learn how to check which things are using which resources.' 'You know, I'll just leave the towel there and try again tomorrow.'
JayM
9 days ago
reply
ROFL!
Atlanta, GA
0utis
9 days ago
Worst case, reboot the house.

Blockchains and voting

1 Share

I’ve been asked about a number of ideas lately involving voting systems and blockchains. This blog piece talks about all the security properties that a voting system needs to have, where blockchains help, and where they don’t.

Let’s start off a decade ago, when Daniel Sandler and I first wrote a paper saying blockchains would be useful for voting systems. We observed that voting machines running on modern computers have overwhelming amounts of CPU and storage, so let’s use it in a serious way. Let’s place a copy of every vote on every machine and let’s use timeline entanglement (Maniatis and Baker 2002), so every machine’s history is protected by hashes stored on other machines. We even built a prototype voting system called VoteBox that used all of this, and many of the same ideas now appear in a design called STAR-Vote, which we hope could someday be used by real voters in real elections.

What is a blockchain good for? Fundamentally, it’s about having a tamper-evident history of events. In the context of a voting system, this means that a blockchain is a great place to store ballots to protect their integrity. STAR-Vote and many other “end-to-end” voting systems have a concept of a “public bulletin board” where encrypted votes go, and a blockchain is the obvious way to implement the public bulletin board. Every STAR-Vote voter leaves the polling place with a “receipt” which is really just the hash of their encrypted ballot, which in turn has the hash of the previous ballot. In other words, STAR-Vote voters all leave the polling place with a pointer into the blockchain which can be independently verified.

So great, blockchain for the win, right? Not so fast. Turns out, voting systems need many additional security properties before they can be meaningfully secure. Here’s a simplified list with some typical vocabulary used for these security properties.

  • Cast as intended. A voter is looking at a computer of some sort and indicates “Alice for President!”, and our computer handily indicates this with a checkbox or some highlighting, but evil malware inside the computer can silently record the vote as “Bob for President!” instead. Any voting system needs a mechanism to defeat malware that might try to compromise the integrity of the vote. One common approach is to have printed paper ballots (and/or hand-marked paper ballots) which can be statistically compared to the electronic ballots. Another approach is to have a process whereby the machine can be “challenged” to prove that it correctly encrypted the ballot (Benaloh 2006, Benaloh 2007).
  • Vote privacy. It’s important that there is no way to identify a particular voter with how they voted. To understand the importance of vote privacy, consider a hypothetical alternate where all votes were published, in the newspaper, with the voter’s name next to each vote. At that point, you could trivially bribe or coerce people to vote in a particular way. The modern secret ballot, also called the Australian ballot, ensures that votes are secret, with various measures taken to make it hard or impossible for voters to violate this secrecy. When you wish to maintain a privacy property in the face of voting computers, that means you have to prevent the computer from retaining state (i.e., keeping a private list of the plaintext votes in the order cast) and you have to ensure that the ciphertext votes, published to the blockchain, aren’t quietly leaking information about their plaintext through various subliminal channels.
  • Counted as cast. If we have voters taking home a receipt of some sort that identifies their ciphertext vote in the blockchain, then they also want to have some sort of cryptographic proof that the final vote tally includes their specific vote. This turns out to be a straightforward application of homomorphic cryptographic primitives and/or mixnets.

If you look at these three properties, you’ll notice that the blockchain doesn’t do much to help with the first two, although they are very useful for the third.

Achieving a “cast as intended” property requires a variety of mechanisms ranging from paper ballots and spot challenges of machines. The blockchain protects the integrity of the recorded vote, but has nothing to say about its fidelity to the intent of the voter.

Achieving a “vote privacy” property requires locking down the software on the voting platform, and for that matter locking down the entire computer. And how can that lock-down property be verified? We need strong attestations that can be independently verified. We also need to ensure that the user cannot be spoofed into running a fake voting application. We can almost imagine how we can achieve this in the context of electronic voting machines which are used exclusively for voting purposes. We can centrally deploy a cryptographic key infrastructure and place physical controls over the motion of the machines. But for mobile phones and personal computers? We simply don’t have the infrastructure in place today, and we probably won’t have it for years to come.

To make matters worse, a commonly expressed desire is to vote from home. It’s convenient! It increases turnout! (Maybe.) Well, it also makes it exceptionally easy for your spouse or your boss or your neighbor to watch over your shoulder and “help” you vote the way they want you to vote.

Blockchains do turn out to be incredibly helpful for verifying a “counted as cast” property, because they force everybody to agree on the exact set of ballots being tabulated. If an election official needs to disqualify a ballot for whatever reason, that fact needs to be public and everybody needs to know that a specific ballot, right there in the blockchain, needs to be discounted, otherwise the cryptographic math won’t add up.

Wrapping up, it’s easy to see how blockchains are an exceptionally useful primitive that can help build voting systems, with particular value in verifying that the final tally is consistent with the cast ballot records. However, a good voting system needs to satisfy many additional properties which a blockchain cannot provide. While there’s an intellectual seduction to pretend that casting votes is no different than moving coins around on a blockchain, the reality of the problem is a good bit more complicated.

Read the whole story
herrmann
5 days ago
reply
Brazil
Share this story
Delete

Quatro passos para começar a experimentar com blockchain no setor público (e algumas ideias de com que experimentar)

1 Share

Há algumas semanas um colega estava com um fornecedor de TI discutindo as necessidades do setor dele. Ao final da reunião, assunto encerrado, o representante da empresa pergunta: – “Muito bem, mas quando é que nós vamos reunir um grupo técnico no governo para falar de blockchain?”.

Fiquei surpreso com o relato. Foi a primeira vez que ouvi falar em um princípio de discussão sobre o uso de blockchain no governo brasileiro (análise de dados – em todas as suas formas, cores e tamanhos – parece ainda ser “a bola da vez”). Mas, gato escaldado que sou com fornecedores tentando (e muitas vezes conseguindo) vender balas de prata para o setor público, fiquei ressabiado.

Como comentei em outro artigo, grandes empresas começaram a oferecer uma nova categoria de produto chamada de “blockchain as a service”. A pressão sobre essas equipes para que mostrem resultados (isto é, vendas) rapidamente deve estar sendo grande. É do jogo! Afinal essas empresas vivem em um ambiente de concorrência e não querem ficar atrás umas das outras. Mas ser ou não um participante ou uma peça nesse jogo é uma opção que cabe a cada um de nós gestores públicos – e como sempre os custos, riscos e potenciais benefícios devem ser tão bem calculados quanto possível.

A tecnologia blockchain nasceu com o Bitcoin há menos de dez anos. O segundo blockchain com alguma relevância, Ethereum, fez há pouco seu segundo aniversário! Vivemos um momento de altíssima incerteza, com novos blockchains públicos, privados e permissionados nascendo numa velocidade difícil de acompanhar. Nada impede que esses novos entrantes demonstrem possuir vantagens e se tornem verdadeiros padrões de mercado, mas quando se trata de um tema em que a segurança e a confiabilidade dos dados são elementos tão importantes é preciso levar em consideração que ninguém ainda sequer passou perto de ser tão colocado à prova quanto Bitcoin e Ethereum já foram (somadas, as duas já chegaram a ter 90 bilhões de dólares “armazenados” nos seus blockchains – um prato cheio para hackers de todo tipo).

Nesse contexto, voltando ao “convite” feito pelo fornecedor do primeiro parágrafo, não me parece que seja a hora de assumir grandes compromissos e fazer investimentos significativos em relação ao tema. O que está longe de significar que defendo que fiquemos alheios a todo esse processo de inovação, assistindo os bondes passarem e esperando para copiar o que outros órgãos ou países vierem a fazer. Muito pelo contrário! Eis o que na minha opinião você pode começar a fazer hoje para que você, seu órgão e principalmente o Brasil não fiquem para trás:

  1. Monte um time de peso! Busque em seus quadros duas ou três pessoas fluentes em inglês e em pelo menos uma linguagem de programação, autodidatas, que dominam a dinâmica dos projetos open source (será importante saber se comunicar nesse meio) e que se interessam pela tecnologia blockchain. Acredite: elas estão aí! Talvez estejam soterradas na burocracia por alguém que não soube reconhecer o seu potencial, mas estão aí. Abra um processo seletivo interno, dê-lhe ampla divulgação e elas aparecerão. Se não encontrar, procure no órgão vizinho, faça uma permuta, uma parceria, complemente o time com estagiários… Enfim, “dê seus pulos”, como se diz por aí. Só não vale desistir antes de tentar.
  2. Dote-o de recursos! Coloque na mão dessas pessoas os melhores computadores disponíveis no órgão. Não, não precisa de uma placa de vídeo de última geração – o objetivo, pelo menos a princípio, não é minerar criptomoedas aqui. Lote-as em uma sala confortável e ergonômica (como todas as salas deveriam ser), com alguns quadros brancos nas paredes.
  3. Empodere-o! Tire-as do circuito do planejamento tradicional, dos indicadores e das metas. Dê a elas autonomia para que testem diferentes plataformas (cabe a elas escolher quais, desde que dentro das restrições orçamentárias impostas) e busquem firmar as parcerias que entenderem pertinentes. Deixe que explorem livremente as possibilidades de uso da tecnologia relacionadas ao negócio da organização. Não cobre resultados. Exija, sim, prestação de contas! Reúna-se periodicamente com a equipe para saber o que estão fazendo, registre os tempos consumidos por cada macro-atividade, envolva-se e ofereça mentoria no que for preciso. Mas sem pressão.
  4. Dê-lhe tempo! Tenha alguma paciência. Em poucos meses, no pior dos cenários você terá gasto somente alguns homens-dias em troca de mais experiência para subsidiar futuras tomadas de decisão sobre o assunto. Não tenha dúvidas: necessidades de tomar decisões sobre esse assunto surgirão! E essa equipe estará no mínimo preparada para fazer as perguntas certas a novos interlocutores.

“Ah, mas eu não tenho poder de decisão na minha organização! Eu sou só [sic] aquela pessoa que você sugeriu que estivesse nesse time. O que eu faço?”

OK, a sua vida vai ser um pouco mais complicada. Em primeiro lugar, faça sutilmente chegar este artigo às mãos de um ou mais decisores. Não sei se vai ajudar, mas atrapalhar não vai (espero!). Se isso não for suficiente, respire fundo, arregace as mangas e faça uma espécie de piloto de tudo aquilo que está descrito ali em cima: reúna as pessoas certas, estabeleça uma agenda de encontros para troca de experiências e explorem a tecnologia no tempo livre. Não demorará para que vocês tenham um plano, um mockup ou quem sabe até um protótipo para apresentar a um patrocinador capaz de institucionalizar a iniciativa.

Enquanto redigia este texto, fiquei sabendo do projeto piloto para verificação de documentos e identidades feito pelo Ministério do Planejamento usando uPort, um sistema de identidade desenvolvido sobre a rede Ethereum. Parabéns aos colegas! Espero que tenham espaço para continuar avançando ainda mais! Se algum dos envolvidos estiver lendo, por favor compartilhe mais detalhes da experiência nos comentários!

Outro campo fértil para o blockchain no setor público é o da transparência das receitas e despesas públicas. Uma nova criptomoeda poderia ser criada em um blockchain já existente para representar recursos públicos. Não se trata de criar uma moeda para fazer os pagamentos de fato, mas sim de um mero “espelho” público, imutável e abertamente auditável do que já fica registrado nos sistemas de execução orçamentária. A criação de novas unidades dessa moeda não seguiria regras como as de bitcoin ou de ether. Ao invés disso, estaria vinculada à comprovação de receitas efetivas e seria controlada por uma conta específica pertencente ao governo. E as despesas seriam refletidas na transferência dessas unidades para outras contas no blockchain que representariam cada um dos recebedores de recursos.

Para quem se animou com a possibilidade de aplicar essa tecnologia na sua área, registrei em um artigo no meu perfil do LinkedIn outras ideias que já me ocorreram e sobre as quais ocasionalmente penso. São coisas com as quais eu, como cidadão e auditor, gostaria de ver o setor público experimentando. São ideias em estado ainda bastante bruto; humildes fagulhas que espero servir para iniciar algumas discussões. Acesse o artigo clicando aqui e deixe lá sua opinião!

E no seu órgão, em que pé estão as conversas sobre esse assunto? Tem experiências para compartilhar? Imagino que muitos dos leitores do República Digital tenham passado por desafios semelhantes quando do nascimento de outras tecnologias no passado. Ocupe a caixa de comentários! Será um prazer ampliar e aprofundar a discussão!

Read the whole story
herrmann
5 days ago
reply
Brazil
Share this story
Delete

O futuro das carreiras públicas

1 Share

Foi no início de agosto e parece que foi ontem. Estive na terceira edição do Friends of Tomorrow Conference, que se considera o maior evento de futurismo independente do país. Essa ida me fez ter que enfrentar bullying de leve intensidade de um amigo próximo: vá lá aprender a prever o futuro e me conte os próximos números da mega sena. Nada disso!

Refleti sobre muita coisa durante o dia em que estive lá, a começar por reforçar meu entendimento de que o futuro é uma simples ilusão temporal, e o que acontece por lá depende do que está acontecendo por aqui, no presente. A outra constatação é filosófica: o que você vê é mesmo tudo o que há (por Daniel Kahneman, prêmio Nobel de Economia de 2012) e, por isso, as pessoas não têm ideia daquilo que não conhecem.

Uma palestra sobre a importância das informações históricas combinadas com algoritmos de inteligência artificial aplicados à pesquisa de cura do câncer me tocou. Por ser parte da história de muitas famílias (a minha inclusive), a expectativa de resultados significativamente melhores pareceu ser bem possível no futuro. Ouvir sobre a cura de pacientes com tratamento genético associado ao aprendizado de máquina e ao crowdsourcing, além do wow fator, enche de esperança e vontade de ajudar. Mensagem marcante: “não pense somente em doar órgãos. Esteja disposto a doar dados”.

O futuro pode ser melhor. Inclusive na política e na participação popular, como disse o Pedro Villa Nova na sua fala espetacular sobre o projeto Serenata de Amor. A propósito, parabéns pelo aninho de vida do projeto, pelos resultados obtidos até agora e pela forma madura como analisa as possibilidades futuras de envolver profissionais públicos e cidadãos na missão de melhorar o ambiente político do pais. Afinal, se não formos nós….

Meu destaque do evento vai para a galera do Pluvi.on. A ideia do projeto é construir pluviômetros muito acessíveis, com sensores conectados à Internet e enviando dados para o mundo, o que permite com que desastres naturais possam ser previstos com mais rapidez e, no limite, poupe vidas. Mas também pode servir para auxiliar o Estado com informações úteis para decisão dos locais de construção de obras de contenção ou de coleta de água. Ideia barata, facilmente replicável e um belo exemplo de que, com baixo custo, muita criatividade e vontade de fazer, coisas ruins que acontecem hoje podem ser evitadas com uso inteligente de tecnologia e envolvimento das pessoas e das instituições públicas e privadas.

E ainda teve o maluco do Bibop, um italiano que lembra o Prince e que tentou engajar a plateia citando a Grazi Massafera. Conseguiu, mas não por isso. Descreveu o Hyperloop TT, empresa que quer viabilizar a construção de tubos isolados em vácuo que, por meio de energia eletromagnética, vai poder transportar pessoas de modo seguro a uma velocidade impressionante. Muito interessante e divertido. Mas preciso ressaltar dois pontos inspiradores. O primeiro: o sistema é projetado como de energia positiva, ou seja, ele pretende não só ser auto-sustentável como gerar energia por onde o bonde passar (na ordem de 15%). Não vou esconder minha tristeza quando lembrei do pré-sal.

E o segundo e mais importante: o projeto tem sido sustentado tecnicamente a partir do que ele chamou de crowd brain. Dada a complexidade do projeto, não bastaria somente ter os recursos financeiros para iniciar a produção. Era preciso atrair uma série de profissionais para resolver os problemas práticos do projeto. A partir daí, houve uma chamada de voluntários que ofereciam trabalhar em suas especialidades em troca de ações da companhia. Engenheiros e professores renomados de todo o mundo toparam e, por causa disso, o projeto já está em vias de iniciar a construção do seu primeiro trecho.

A partir daí iniciei a minha viagem. Pensei na viabilidade e no impacto de um grande projeto de mutirão de cérebros governamental (minha tradução livre para a expressão original). Para um projeto realmente relevante e estratégico para a sociedade. O quanto seria viável abrir oportunidades para profissionais de outras instituições públicas ou áreas de formação que pudessem contribuir para uma solução de impacto, que melhorasse diretamente a vida das pessoas?

Seria possível institucionalizar o modelo e exponencializar o efeito das forças-tarefa que funcionam?

Será que os profissionais públicos deixariam a estabilidade e o conforto do trabalho cotidiano para sair do prumo e ir em direção a um grupo novo e multidisciplinar, que fosse remoto? Sinais surpreendentes vieram como resposta a essa questão, por duas plateias de 400 pessoas cada a cerca de 15 dias atrás, em um grande evento sobre Governança Pública. Nas duas ocasiões, enquanto instigava a plateia a pensar em quantas carreiras teríamos até que parássemos de trabalhar, a resposta foi clara: “Não sabemos. Mas por que não sermos realocados, de tempos em tempos, em projetos e em instituições em que se adequassem ao perfil e ao interesse de cada um?”

Sem inocência, pessoal. Mudar não é para todos. Mas reflita se você não conhece alguém na sua organização que esteja perdido, fazendo o trabalho de maneira certinha (ou nem tanto) mas desapaixonada? Aquela pessoa que só faz aquilo porque passou no concurso e foi alocada por lá, mas o que ela queria mesmo era participar de projetos de construção de escolas. Em que medida o Estado pode deixar o profissional fazer o que ele de fato quer ou o que mais se adeque às suas competências segundo o interesse público?

Estímulos, incentivos e regras mínimas precisariam ser pensados, obviamente. Penso que o mutirão dos cérebros seria muito mais do que a instituição de grupos de trabalho que, salvo exceções que conheço e vivi (que sorte!!), se compõem de pessoas que não fariam tanta falta assim nas instituições de origem. É a reunião de competências e vontades para transformar propósito e estimulo em resultado real e efetivo, segundo especialidades e motivações feitas sob medida para o grupo.

Para estimular a reflexão, recorro a um artigo publicado em junho na Harvard Business Review, que defende a necessidade urgente de os profissionais dominarem competências emocionais, especialmente com o avanço dos serviços de inteligência artificial. A tese do artigo é muito simples: cada vez mais as máquinas terão mais informação e capacidade de processamento que os humanos. O novo esperto não é o que tem a memória acima da média ou a capacidade de calcular fora da curva, pois ele nunca será tão bom quanto a nuvem nessa tarefa. O novo esperto será determinado pela qualidade das suas reflexões, capacidade de ouvir, se relacionar, colaborar e aprender com novas situações. Em suma, quantidade seria com as máquinas e qualidade, conosco.

Em complemento, estudo publicado pela The Economist apontou fatores em comum das empresas “superstars”, aquelas que lideram seus ramos de atuação e sobrevivem aos solavancos da inovação. Duas das características sustentam argumentos a favor do mutirão de cérebros e da sua institucionalização.

A primeira delas ressalta a obsessão por manter e construir talentos nas organizações, independente da cultura da organização. E isso não necessariamente se vincula à formação acadêmica ou cargo inicial na organização. Descobrir a melhor competência e habilidade e valorizar isso é óbvio e corriqueiro para as grandes do mundo.
A segunda característica das superstars fere de morte nosso modelo mental. As superstars fazem tudo o que podem para se manterem ágeis apesar do seu tamanho. Em outras palavras, elas brigam dia e noite uma guerra constante contra a burocracia herdada. A missão é clara: eliminar qualquer complexidade desnecessária.

Será a reunião institucional dos talentos o futuro das carreiras públicas? Um modelo para reunir entendedores sobre determinado assunto para gerar informações e aprendizado coletivo, é preciso administrar interesses, angústias e desejos de poder, que talvez ainda se sobreponham ao propósito e a chance de colocar no curriculum um projeto disruptivo e transformador. Mais que isso, a chance de ser alocado em uma iniciativa ideal para você para o Estado.

Busca de propósito na linha do Ikigai, uma expressão japonesa que significa ”razão de existir”, e que é representado pela interseção de quatro desejos: fazer o que ama, o que você é competente, o que o mundo precisa e o que te pagam para fazer. Conseguir tudo isso é o nirvana profissional (ou o Ikigai!), mas qualquer combinação de duas dessas variáveis já está valendo, e muito. No serviço público então….

E que tal um mutirão de cérebros onde você trabalha, na forma de um projeto corporativo lean e ágil? A partir de um processo seletivo e sobre liderança técnica compartilhada, por pessoas que se esforcem em tentar manter o trabalho focado, as pessoas motivadas e os resultados medidos. Sim, dá trabalho. E sim, é muito desafiante considerando o mindset do serviço público. Mas e se o futuro exigir isso das carreiras públicas?

Não me parece que nós, os profissionais públicos, podemos deixar de pensar em como moldamos, no tempo presente, o futuro das nossas carreiras. E isso nos faz todos futuristas! Não pela habilidade de prever o que vai acontecer no futuro, mas pela disposição em projetar e modelar cenários desejados a partir do que fazemos hoje. De preferência, juntos.

E quando voltei, não trouxe os números para o meu amigo fanfarrão. Voltei mais convicto ainda de que a estratégia dos disruptores para fazer reais os seus cenários futuros desejados não pode ser baseada no grito ou na hiper valorização de uma aspecto em detrimento de outro. O algoritmo é conhecido: reúna pessoas ao redor de um propósito, construa algo que resolva efetivamente o problema e trabalhe a percepção deste resultado junto aos envolvidos. Sem guerra de nervos, argumentos ultra-técnicos ou feições de arrogância.

Ensine aos que precisam aprender e demonstre aos que precisa convencer. Assim, estes passarão a saber que já sabem. Pronto! A partir dai, a sua versão de futuro já é possível.

 

Picture by CC0 by DARPA – bit.ly/2lirIsa, CC BY-SA Luc Viator www.Lucnix.be, bit.ly/2lW4ICb

Read the whole story
herrmann
5 days ago
reply
Brazil
Share this story
Delete

How to Opt Out of Twitter's New Privacy Settings

1 Share

Since Wednesday night, Twitter users have been greeted by a pop-up notice about Twitter’s new privacy policy, which will come into effect June 18:

Contrary to the inviting “Sounds good” button to accept the new policy and get to tweeting, the changes Twitter has made around user tracking and data personalization do not sound good for user privacy. For example, the company will now record and store non-EU users’ off-Twitter web browsing history for up to 30 days, up from 10 days in the previous policy.

Worst of all, the “control over your data” promised by the pop-up is on an opt-out basis, giving users choices only after Twitter has set their privacy settings to invasive defaults.

Instead, concerned users have to click “Review settings” to opt out of Twitter’s new mechanisms for user tracking. That will bring you to the “Personalization and Data” section of your settings. Here, you can pick and choose the personalization, data collection, and data sharing you will allow—or, click “Disable all” in the top-right corner to opt out entirely.

If you already clicked through the privacy policy pop-up, you can still go into your settings to make these changes. After navigating to your settings, choose “Privacy and safety” on the left, and then click “Edit” next to “Personalization and data.”

While you’re at it, this is also a good opportunity to review, edit, and/or remove the data Twitter has collected on you in the past by going to the “Your Twitter data” section of your settings.

Twitter has stated that these granular settings are intended to replace Twitter’s reliance on Do Not Track. However, replacing a standard cross-platform choice with new, complex options buried in the settings is not a fair trade. Although “more granular” privacy settings sound like an improvement, they lose their meaning when they are set to privacy-invasive selections by default. Adding new tracking options that users are opted into by default suggests that Twitter cares more about collecting data than respecting users’ choice.



Read the whole story
herrmann
121 days ago
reply
Brazil
Share this story
Delete

The Quick vs. the Strong: Commentary on Cory Doctorow's Walkaway

2 Shares

Technological advances change the world. That's partly because of what they are, but even more because of the social changes they enable. New technologies upend power balances. They give groups new capabilities, increased effectiveness, and new defenses. The Internet decades have been a never-ending series of these upendings. We've seen existing industries fall and new industries rise. We've seen governments become more powerful in some areas and less in others. We've seen the rise of a new form of governance: a multi-stakeholder model where skilled individuals can have more power than multinational corporations or major governments.

Among the many power struggles, there is one type I want to particularly highlight: the battles between the nimble individuals who start using a new technology first, and the slower organizations that come along later.

In general, the unempowered are the first to benefit from new technologies: hackers, dissidents, marginalized groups, criminals, and so on. When they first encountered the Internet, it was transformative. Suddenly, they had access to technologies for dissemination, coordination, organization, and action -- things that were impossibly hard before. This can be incredibly empowering. In the early decades of the Internet, we saw it in the rise of Usenet discussion forums and special-interest mailing lists, in how the Internet routed around censorship, and how Internet governance bypassed traditional government and corporate models. More recently, we saw it in the SOPA/PIPA debate of 2011-12, the Gezi protests in Turkey and the various "color" revolutions, and the rising use of crowdfunding. These technologies can invert power dynamics, even in the presence of government surveillance and censorship.

But that's just half the story. Technology magnifies power in general, but the rates of adoption are different. Criminals, dissidents, the unorganized -- all outliers -- are more agile. They can make use of new technologies faster, and can magnify their collective power because of it. But when the already-powerful big institutions finally figured out how to use the Internet, they had more raw power to magnify.

This is true for both governments and corporations. We now know that governments all over the world are militarizing the Internet, using it for surveillance, censorship, and propaganda. Large corporations are using it to control what we can do and see, and the rise of winner-take-all distribution systems only exacerbates this.

This is the fundamental tension at the heart of the Internet, and information-based technology in general. The unempowered are more efficient at leveraging new technology, while the powerful have more raw power to leverage. These two trends lead to a battle between the quick and the strong: the quick who can make use of new power faster, and the strong who can make use of that same power more effectively.

This battle is playing out today in many different areas of information technology. You can see it in the security vs. surveillance battles between criminals and the FBI, or dissidents and the Chinese government. You can see it in the battles between content pirates and various media organizations. You can see it where social-media giants and Internet-commerce giants battle against new upstarts. You can see it in politics, where the newer Internet-aware organizations fight with the older, more established, political organizations. You can even see it in warfare, where a small cadre of military can keep a country under perpetual bombardment -- using drones -- with no risk to the attackers.

This battle is fundamental to Cory Doctorow's new novel Walkaway. Our heroes represent the quick: those who have checked out of traditional society, and thrive because easy access to 3D printers enables them to eschew traditional notions of property. Their enemy is the strong: the traditional government institutions that exert their power mostly because they can. This battle rages through most of the book, as the quick embrace ever-new technologies and the strong struggle to catch up.

It's easy to root for the quick, both in Doctorow's book and in the real world. And while I'm not going to give away Doctorow's ending -- and I don't know enough to predict how it will play out in the real world -- right now, trends favor the strong.

Centralized infrastructure favors traditional power, and the Internet is becoming more centralized. This is true both at the endpoints, where companies like Facebook, Apple, Google, and Amazon control much of how we interact with information. It's also true in the middle, where companies like Comcast increasingly control how information gets to us. It's true in countries like Russia and China that increasingly legislate their own national agenda onto their pieces of the Internet. And it's even true in countries like the US and the UK, that increasingly legislate more government surveillance capabilities.

At the 1996 World Economic Forum, cyber-libertarian John Perry Barlow issued his "Declaration of the Independence of Cyberspace," telling the assembled world leaders and titans of Industry: "You have no moral right to rule us, nor do you possess any methods of enforcement that we have true reason to fear." Many of us believed him a scant 20 years ago, but today those words ring hollow.

But if history is any guide, these things are cyclic. In another 20 years, even newer technologies -- both the ones Doctorow focuses on and the ones no one can predict -- could easily tip the balance back in favor of the quick. Whether that will result in more of a utopia or a dystopia depends partly on these technologies, but even more on the social changes resulting from these technologies. I'm short-term pessimistic but long-term optimistic.

This essay previously appeared on Crooked Timber.

Read the whole story
herrmann
126 days ago
reply
Brazil
Share this story
Delete
Next Page of Stories